A Regra é Escura

10 06 2008

No último Domingo o Vasco perdeu para o Cruzeiro por 1×0 no Mineirão. O gol foi marcado por charles aos 26 do segundo tempo. O time mineiro está empatado com o flamengo com 13 pontos, na liderança. Os cruzmaltinos permanecem com 7.

O Cruzeiro jogou sempre no ataque e teve algumas oportunidades de marcar, o Vasco só se preocupou em defender. Por isso, podes considerar justo o resultado.

Mas, como todos sabem, no futebol não existe justiça e se não fosse um erro (ou não) da arbitragem o Vasco provavelmente teria voltado de Minas com um ponto na bagagem.

Aos 26 minutos do segundo tempo, depois de Tiago ter feito defesas difíceis-inclusive em um pênalti batido por Guilherme – o árbitro Wilson de  Souza Mendonça resolveu complicar a partida. Wagner, camisa 10 da raposa, de chute fraco de longe e o goleiro vascaíno amorteceu a bola com a mão, deixando-a no chão. Esperou o time sair por alguns segundos e pegou a bola do chão, quando, para sua surpresa, o juiz apitou, marcando tiro livre indireto da entrada da pequena área.

O time mineiro ensaiou bem a jogada e, com todos os jogadores vascaínos dentro da área, Charles achou um espaço no canto direito.

O lance que resultou no gol da vitória é um dos mais polêmicos dos últimos tempos, tanto é que o próprio juiz não sabia dizer o que havia marcado, ao término da partida. Por fim, através da opinião de vários árbitros e do presidente da comissão de arbitragem chegou-se a conclusão de que a infração teria sido maracada pelo goleiro ter encostado a mão na bola e depois tê-la pego de novo.

Basicamente, a regra diz que o goleiro só pode fazer isso quando realiza uma defesa, e no caso Tiago não defendeu a bola, apenas a escorou. Isso quer dizer que fica a cargo do árbitro julgar se o goleiro fez uma defesa ou não.

Lances como esse acontecem em todos os jogos e nenhum juiz marca. simplesmente porque não há necessidade. Não é um lance capaz de mudar o jogo e nem de cera pode ser chamado, já que o goleiro esperou o time sair e já iria repor a bola. Tudo isso em 6 segundos. Na verdade, suspeito que o juiz achou que a bola teria sido recuada para o goleiro, por isso acabou não dizendo o que tinha maracado. Depois do jogo – e de algumas ligações que provavelmente o salvaram – ele deu a sorte de haver uma regra (sem nexo, por sinal) que se encaixava na lambança cometida por ele. Aposto que lances iguais já passaram por ele sem serem percebidos, e se bobear, nesse mesmo jogo.

Enfim, esse lance mostrou como não é clara a regra do futebol. Cada dia mais o jogo está sendo decidido segundo a interpretação do árbitro, a ponto de agora eles decidirem também se o goleiro defendeu ou não a bola. Acho que as regras deveriam ser mais bem definidas, assim os erros de arbitragem poderiam diminuir.

Se o texto ficou confuso, me desculpe, mas foi apenas pra ser coerente com a arbitragem de Wilson Souza de Mendonça.

Saudações Vascaínas!

Guilherme de Alencar

Anúncios




Jeantes tarde do que nunca.

1 06 2008

Jean entra no 2º tempo e muda a partida da tarde de sábado.

Depois de ser eliminado pelo Sport, nos pênaltis, na semifinal da Copa do Brasil o Vasco demonstrou poder de reação e venceu o Grêmio por 2×1 em São Januário. Jogo válido pela 4ª rodada do brasileirão . Reinaldo marcou para os gaúchos e Jean (duas vezes) para os cariocas.

O time vascaíno precisou de muita superação para vencer a partida. Antes mesmo de seu início o vasco já deveria superar algo: o jogo do Sport e toda a trama envolvendo Edmundo, craque do time, nessa semana.

Após o apito inicial do árbitro o vasco se mortrou um time completamente sem rumo em campo. O Grêmio conseguia envolver facilmente a defesa adversária, que por sua vez, batia cabeça e se complicava sozinha. Resultado: aos 30 min Paulo Sérgio cruzou da direita e o zagueiro luisão só assistiu a Reinaldo cabecear com precisão no canto esquerdo de Tiago. O vasco ainda ameaçou uma vez outra em contra ataques, mas nada que assustasse o defensor da meta gremista.

como se já não bastasse o trauma da Copa do Brasil o Vasco precisaria superar o Grêmio em campo e virar a partida. Além disso, ainda haveria de aguentar as vaias da torcida.

No intervalo Antônio Lopes colocou Jean (como sempre), no lugar do apagado Morais. Quando o problema é superação ninguém melhor do que Jean para resolver. Com velocidade e muita vontade, Jean sempre entra pra dar aquele ânimo a mais à equipe. Mais uma vez ele conseguiu com que o Vasco mudasse de postura. O time da colina partiu pra cima com tudo em busca da virada.

Porém, dessa vez Jean fez mais do que motivar o time à partir pra cima: Logo aos 6 minutos do 2º tempo Leandro Bonfim dividiu com o zagueiro, a bola sobrou na entrada da área e Jean (que não é conhecido por boas finalizações) acertou um tirambaço no canto esquerdo do goleiro Vitor. Esse foi o primeiro gol sofrido pela boa defesa do Grêmio no campeonato.

Jean – e seus comandados – continuaram na missão de conseguir mais uma virada na história cruzmaltina. Até que aos 30 minutos Wagner diniz o presenteou pela vontade em campo. O lateral direito avançou pelo flanco e chegou a linha de fundo, próximo a área. Tocou para o atacante que, do meio da área, teve que finalizar duas vezes até botar a bola no fundo da rede.

Mais uma vez o vasco demonstrou porque é o “time da virada” e como possuir um Caldeirão é importante, até mesmo quando ele não está pegando fogo.

O vasco agora tem 7 pontos no campeonato e alcançou a 3ª posição, pelo menos até o início dos jogos desse domingo.

Após a partida Jean declarou que busca, desde o início da temporada, o status de titular da equipe vascaína. Quando entra costuma mudar o panorama da partida, ainda que nem sempre com gols. Quando Edmundo e Leandro Amaral estiverem aptos a jogar dificilmente Jean começara a partida.

Excluindo os dois, Jean é o atacante vascaíno melhor capacitado no momento. Mas acho que há algo que não faz muito sentido no futebol brasileiro: Atletas que começam jogando são definidos como titulares ; os que não começam, como reservas. A questão não é tão simples assim.

Tomo jean como exemplo, ele costuma render mais quando entra no segundo tempo do que quando começa jogando, no entanto ele é muito mais importante pro vasco do que Alex Teixeira ou Alan Kardec, que costumam começar jogando.

Um time não deve ser só 11 jogadores, mas sim o grupo todo. Como lopes mesmo disse, Jean é o 12º jogador vascaíno. Portanto, faz parte do esquema vascaíno Jean entrar na segunda etapa, não é uma questão de ser titular ou reserva, de ser pior que quem começa jogando. Tanto é, que muitos jogadores entram no decorrer de partidas e se tornam mais importantes que os “titulares”.

Mas isso já está inserido no futebol brasileiro, é uma questão de cultura. Na Europa os jogadores não costumam ser taxados de titulares ou reservas, e os técnicos começam com um ou outro jogando de acordo com a necessidade de cada jogo.

Acho que esse é um exemplo do que se deve copiar da Europa, não o formato de campeonato. mas, tudo bem, eu tenho consciência de as opções nos elencos brasileiros não são boas o suficientes para que haja esse tipo de rotação no plantel.

Saudações vascaínas!

Guilherme de Aelncar





Ahh, Edmundo!

30 05 2008

Eu pedi que não faltasse vontade, garra e determinação ao time do vasco no difícil jogo contra o sport. E não faltou. Fiquei feliz de ir a São Januário e ver mais que um estádio lotado e fervendo como de costume – e a torcida mais bonita do que nunca. Vi um time que se dedicou até o último minuto em busca de reverter o placar do jogo anterior.

O Vasco não fez uma de suas melhores partidas tecnicamente, mas na base do empenho conseguiu fazer um gol aos 19 do segundo e outro já nos acréscimos. Não pude deixar de lembrar que escrevi na terça-feira que o jogo Flu x São paulo deveria servir de exemplo para o Vasco. O segundo gol- do Edmundo- foi suado e saiu no finalzinho, assim como o de Washington; o primeiro-do Leandro amaral- deu esperança assim como o de Dodô. A diferença é que o gol no sufoco, do vasco, não foi o da classificação.

Infelizmente, o gol do animal apenas adiou a eliminação. Logo no primeiro pênalti ele mesmo isolou a bola. Ninguém mais perdeu e o Sport, com muito mérito, se classificou pra final. Apesar de achar que pênalti não é loteria, mas sim competência (que sempre faltou ao animal pra cobrar pênaltis), sai orgulhoso de São Januário. O Vasco lutou muito e – infelizmente- foi eliminado por incompetência de um único jogador. Talvez se não fosse o Edmundo o Vasco não teria chegado ao empate no final, talvez nem a semifinal. Mas ele errou quando não podia errar! Não estou sacrificando ele, só o culpando pela derrota, o que é bem diferente e pra mim não é nada demais. Os jogadores estão ali pra isso e errar faz parte. Os torcedores que têm a mania de considerar a pior pessoa do mundo o cara responsável pela derrota. E ele não é. Também não seria a melhor pessoa do mundo caso fosse o principal responsável pela vitória.

Continuo o considerando ídolo, craque e tudo mais, mas espero que ele bote na cabeça que pênalti não é pra ele. Isso não é um grande problema, apenas uma limitação. Têm muitos jogadores que não fazem a metade do que ele faz mas batem pênalti melhor do que ele. Espero que o grito desse último ano de carreira (pelo menos ele disse que é ) seja o “Ahhh, eh Edmundo!” de exaltação, não o “Ahh, Edmundo” de lamentação.

Mas enfim, estaria com vergonha se meu time não tivesse lutado da maneira que lutou, se tivesse levado um 3×0 do sport em São Januário. Perder faz parte do futebol, assim como vencer. A grande questão não é perder ou vencer, mas sim como perder ou vencer. Estou mais orgulhoso da derrota do meu time do que estaria caso ele tivesse vencido com um erro descarado a seu favor. Garanto que os tricolores estariam muito orgulhosos mesmo se o Washington não tivesse feito aquele gol. Parece que parte da torcida vascaína concorda comigo, tanto é que os aplausos foram maiores que as vaias ao fim da partida. Vida que segue.

“Sou vascaíno e o sentimento não pode parar”

Saudações Vascaínas!

E boa sorte ao Flu na Libertadores.





Que a Vontade de Domingo sobre amanhã!

27 05 2008

Após empate de 1×1 em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro, Vasco e Botafogo se preparam para, dois anos depois, tentar reeditar uma final carioca na Copa do Brasil.

Pela primeira vez no Engenhão, o Vasco chegou como um visitante ingrato e logo antes de 1 min de jogo abriu o placar. Quem deu o ‘presente” aos donos da casa foi o único titular vascaíno, o zagueiro Eduardo Luiz, que após cobrança de escanteio e desvio de Alan Kardec compeltou facilmente para o fundo do gol.

No primeiro tempo os cruzmaltinos tiveram ainda duas chances com Alan Kardec e Alex Teixeira, mas a partida foi fraca – tecnicamente, já que força física e vontade não faltaram. Entre bordoadas e pontapés, as equipes seguiram lutando muito, mas o que sobrou em vontade, faltou em técnica.

Até que aos 41 do segundo tempo, o Botafogo (que jogou com alguns titulares) empatou com Lúcio Flávio, o qual entrou no segundo tempo, de penalti. Duvidoso, por sinal, mas com certeza, tanto Vasco quanto Bota estavam com a cabeça em Sport e corinthians, respectivamente.

Amanhã, o Bota enfrenta o time paulista no morumbi; o Vasco enfrenta os pernambucanos em São Januário. Todos os ingressos para ambas as partidas estão esgotados. Em parte, pela ação dos cambistas, que impediram que alguns torcedores (como eu!) conseguissem seus ingressos.

Mas, deixando a revolta de lado, os dois times da casa precisarão bastante da força de suas torcidas: o corinthians (sem 4 titulares) perdeu no Engenhão por 2x1e precisa vencer o Botafogo por 1×0 para ir a final; já o Gigante da Colina precisa derrotar o surpreendente Sport por 3×0! Tarefa muito difícil, mas não impossível. Vide Vasco x Lanus pela sulamericana, ano passado e até o flu contra o são Paulo na semana passada, exemplo de superação.

Acho que o Bota precisa mais é de cabeça para passar pelos paulistas…o Vasco precisa de cabeça, futebol, vontade e tudo que puder somar para passar pelo Sport. Que a vontade do clássico de domingo sobre amanhã para ambos. Porém, com muito mais técnica.

Enfim, torço por uma final carioca como em 2006. Lembrando, que pelo menos um carioca figura nas finais da competição desde 2003, o que é bom, mas nem tanto. Afinal, seria muito melhor estar entre os finalistas da Libertadores..mas isso deixa com o flu esse ano!

Boa sorte pra Vasco, Botafogo e Fluminense amanhã!

Abraços, Guilherme de Alencar





Apelação!

19 05 2008

Fonte: Revista Playboy edição maio 2008, digitalizado por Observatório Vascaíno.

Esse artigo apela muito! Se o rapaz somente dissesse que considera o vasco candidato ao rebaixamento e que é um palpite, eu respeitaria. Mas dar o título de “A sérire B te aguarda, Vascão” e ainda dizer que já sabe os 4 rebaixados é absurdo.

O vasco pode ser rebaixado? Nada é impossível, mas acho muito difícil. O clube tem muita força em São Januário; tem uma das melhores duplas de ataque da competição; e times como Atlético-mg e Vitória – que não foram citados como rebaixados no artigo – são muito mais fracos que o cruzmaltino.

O diretor de redação da revista Placar fala que o Romário foi técnico, e que isso pode contribuir pro rebaixamento. como, meu Deus? O baixinho foi técnico em outra competição e sua passagem como comandante da Caravela vascaína não influenciará a campanha no brasileirão!

“Maus resultados”. No carioca o Vasco foi realmente muito mal, mas é semifinalista da Copa do Brasil, algo considerável. Ahh, mas não passou por nenhum time da primeira divisão na competição…mas chegou na semifininal, diferente de outros times da série A que “não serão rebaixados, segundo Sérgio Xavier.

  • Atlético Paranaense foi eliminado pelo Corinthians alagoano; na Arena da Baixada.
  • Grêmio foi eliminado pelo Atlético Goianiense; no Olímpico.
  • Coritiba eliminado pelo São Caetano; no Couto Pereira.
  • Vitória foi eliminado pelo Paraná em pleno Barradão.
  • Figueirense nem se classificou pra Copa do Brasil.

Enfim, o elenco vascaíno é limitado e dificilmente conseguirá algo mais que sul-americana no Brasileirão, mas rebaixamento não é esperado, caso aconteça (tudo é possível no futebol) será uma grande surpresa. O Vasco não entra no campeonato como candidato à série B 2009.

Saudações Vascaínas, Guilherme de Alencar





E a zebra foi pro mato…

14 05 2008

Depois de vencer a zebra do campeonato por 5x1na primeira partida e praticamente carimbar o passaporte para as semifinais da Copa do Brasil, O Vasco foi a Maceió e derrotou o corinthians alagoano de novo, desta vez por 3×1. O time carioca aguarda a partida entre Inter e Sport para saber quem será seu adversário.

O jogo entre Vasco e Corinthians-AL foi marcado para as três horas da tarde, devido a ausência de refletores no estádio do time de Alagoas. Nelson Feijó, também conhecido como “Nelsão”, esteve lotado, e a torcida vascaína (muito forte nessa região) foi maioria.

Com isso, os cariocas se sentiram em casa, e desde o início da partida cadenciaram o jogo, administrando o resultado que lhes era muito favorável. Os alagoanos não pressionaram, mesmo assim levaram perigo ao gol de Tiago por duas oportunidades- ainda antes dos 20 minutos- obrigando o goleiro a fazer defesas difíceis. Porém, aos 22 do primeiro tempo, Edmundo tocou na frente pra Leandro Amaral que, tendo partido de antes do meio campo, aproveitou a linha burra da zaga adversária e saiu cara a cara com o goleiro. Deu um drible da vaca e sem dificuldades concluiu pra gol.

O Corinthians mal teve tempo de reagir, pois aos 27 minutos, Alex Teixeira recebeu na direita, invadiu a área e pedalou pra cima do zagueiro, depois só tocou com categoria no canto esquerdo do goleiro. Se ainda existiam dúvidas quanto a classificação vascaína, elas se acabaram com esse gol.

A partir daí o Vasco foi segurando o resultado, e o honrado time alagoano se preocupou apenas em jogar futebol; bom futebol por sinal. Talvez tenha sido uma tentativa dos jogadores de, quem sabe, projetarem seus nomes no futebol brasileiro. Essa é a maior graça da democrática Copa do Brasil!

foi assim durante todo o segundo tempo, que ainda teve Nil descontando para o Corinthians em cobrança venenosa de falta (pra mim, com falha do Tiago), e Rodrigo antônio ampliando para os cariocas nos acréscimos, apó mais uma assistência de Edmundo.

No fundo, todos já sabiam que era quase impossível o Vasco ser eliminado. Milagres como o do América do méxico não acontecem toda semana…

Na próxima fase o Vasco pega internacional ou Sport. Na primeira partida os colorados venceram por 1×0 no Beira-rio; jogam por um empate na ilha do Retiro. Do outro lado da chave, o corinthians(esse é o paulista mesmo) venceu o São Caetano e aguarda a definição do confronto entre Botafogo e Atlético mineiro.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS-AL 1 X 3 VASCO

Estádio: Nelson Feijó, Maceió (AL)
Data/hora: 14/5/2008 – 15h (de Brasília)

Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: Belmiro da Silva (BA) e Adson Marcio Lopes Leal (BA)

Cartões amarelos: Pablo e Jorge Luiz (VAS); Rogérinho, Du, Reinaldo Alagoano, Nélio, Carlos Renato e Daniel (COR)
Cartões vermelhos: –

GOLS: Leandro Amaral, 22’/1ºT (1-0); Alex Teixeira, 27’/1ºT (2-0); Nil, 16’/2ºT (2-1); Rodrigo Antônio, 47’/2ºT (3-1)

CORINTHIANS-AL: Veloso, Maizena, Rodrigo (Éverton, 30’/2ºT, Wilson e Rogerinho; Carlos Renato, Du (Nil, intervalo) e Daniel; Fábio Neves, Serginho (Nélio, 17’/2ºT) e Reinaldo Alagoano. Técnico: Gilmar Batista.

VASCO: Tiago, Rodrigo Antônio, Luizão e Jorge Luiz; Pablo (Vilson, intervalo), Jonílson, Leandro Bomfim (Souza, 46’/2ºT), Alex Teixeira (Wagner Diniz, intervalo) e Madson; Leandro Amaral e Edmundo. Técnico: Antônio Lopes.

Fonte:Netvasco

Até mais!

Guilherme de Alencar