Que a Vontade de Domingo sobre amanhã!

27 05 2008

Após empate de 1×1 em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro, Vasco e Botafogo se preparam para, dois anos depois, tentar reeditar uma final carioca na Copa do Brasil.

Pela primeira vez no Engenhão, o Vasco chegou como um visitante ingrato e logo antes de 1 min de jogo abriu o placar. Quem deu o ‘presente” aos donos da casa foi o único titular vascaíno, o zagueiro Eduardo Luiz, que após cobrança de escanteio e desvio de Alan Kardec compeltou facilmente para o fundo do gol.

No primeiro tempo os cruzmaltinos tiveram ainda duas chances com Alan Kardec e Alex Teixeira, mas a partida foi fraca – tecnicamente, já que força física e vontade não faltaram. Entre bordoadas e pontapés, as equipes seguiram lutando muito, mas o que sobrou em vontade, faltou em técnica.

Até que aos 41 do segundo tempo, o Botafogo (que jogou com alguns titulares) empatou com Lúcio Flávio, o qual entrou no segundo tempo, de penalti. Duvidoso, por sinal, mas com certeza, tanto Vasco quanto Bota estavam com a cabeça em Sport e corinthians, respectivamente.

Amanhã, o Bota enfrenta o time paulista no morumbi; o Vasco enfrenta os pernambucanos em São Januário. Todos os ingressos para ambas as partidas estão esgotados. Em parte, pela ação dos cambistas, que impediram que alguns torcedores (como eu!) conseguissem seus ingressos.

Mas, deixando a revolta de lado, os dois times da casa precisarão bastante da força de suas torcidas: o corinthians (sem 4 titulares) perdeu no Engenhão por 2x1e precisa vencer o Botafogo por 1×0 para ir a final; já o Gigante da Colina precisa derrotar o surpreendente Sport por 3×0! Tarefa muito difícil, mas não impossível. Vide Vasco x Lanus pela sulamericana, ano passado e até o flu contra o são Paulo na semana passada, exemplo de superação.

Acho que o Bota precisa mais é de cabeça para passar pelos paulistas…o Vasco precisa de cabeça, futebol, vontade e tudo que puder somar para passar pelo Sport. Que a vontade do clássico de domingo sobre amanhã para ambos. Porém, com muito mais técnica.

Enfim, torço por uma final carioca como em 2006. Lembrando, que pelo menos um carioca figura nas finais da competição desde 2003, o que é bom, mas nem tanto. Afinal, seria muito melhor estar entre os finalistas da Libertadores..mas isso deixa com o flu esse ano!

Boa sorte pra Vasco, Botafogo e Fluminense amanhã!

Abraços, Guilherme de Alencar

Anúncios




Recuperando o fôlego

23 05 2008

Me desculpem pela demora desse post, mas sinto que até agora não voltei do Maracanã – gostaria de ter ficado lá comemorando com a torcida mais linda do mundo por horas. Porém, por mais que o tempo físico não tenha me permitido isso, a agonia até o último minuto, a felicidade contida do primeiro gol, a esperançosa do segundo e a explosiva do terceiro serão eternas.

Não farei mais uma das centenas de análises técnicas e táticas que há na imprensa dessa epopéia do único Tricolor brasileiro. Tentarei descrever para vocês o que eu e os demais corações valentes presentes no estádio sentimos quando o exemplo de vida Washington estufou as redes ao apagar das luzes. Por mais impossível que isso seja.

Chego no estádio cedo para ajudar a ensacar o talco que seria jogado horas depois numa linda festa da torcida. Estava ansioso há dias, pois nunca meu time tinha chegado tão longe na maior cometição da América do Sul, mas eu queria mais. Queria que o Flu provasse, não só à imprensa e ao Brasil, que é favorito ao título, mas, principalmente, a si próprio. Uma vitória naquela noite daria uma confiança enorme ao time para a fase seguinte. Um insucesso comprometeria o ano todo.

O Flu entrou a 300 km por hora, do jeito que a torcida queria. No primeiro lance de perigo, Cícero perdeu uma incrível chance. Mas, graças a João de Deus, o primeiro gol saiu cedo, como o time precisava. O resto do primeiro tempo foi um domínio imenso do Tricolor, mas o placar era mínimo ainda. No segundo, Muricy substituiu bem e o São Paulo equilibrou por alguns minutos, e fez seu gol com o nada humilde Adriano(volte para a Itália!). A torcida paulista, coitada, achou que estava tudo resolvido, comemorava como se ainda não restassem quase 20 minutos de jogo. Mas, a bola pune, né, Muricy? Pouco mais de um minuto depois, Dodô empara o jogo numa falha do sempre mediano Rogério Ceni. A partir daí, mais pressão do infernal ataque tricolor, comandado pelo incrível Conca.

O terceiro gol merece um parágrafo especial. Após a expulsão de Joílson, o São Paulo se desarrumou completamente. Chances perdidas se sucedem. Todos na torcida cantam mais para incentivar, mas com um olhar de preocupação constante. Até que sai um escanteio despretencioso para o Fluminense. Ouço atrás de mim “46 minutos!” e entro em desespero. Pensei que no estava com 30 minutos no máximo, mas a tensão me fez perder a total noção de tempo. Aquele lance era decisivo. Levo as mãos ao rosto, quando a bola viaja, Washington cabeceia e torcida explode. Chorei como nunca tinha chorado e vi pessoas ajoelhando, se jogando no chão, correndo para liberar a felicidade de quem sempre acreditou – “Quem espera sempre alcança”.

Como diria meu futuro companheiro de profissão Galvão Bueno: “Haja coração, amigo!”. Mas isso, o Guerreiro Tricolor Washington tem de sobra.

Que venha o Boca!





Que falta faz um goleiro…

18 05 2008

Estou começando a acreditar na velha máxima que “todo bom time começa com um bom goleiro”. A maior carência que o Fluminense tem, já há alguns anos, é no gol. Fernando Henrique titular é um absurdo, um desrespeito com uma camisa que já teve Castilho, Félix e Paulo Victor. A diretoria até tentou mudar esse quadro, contratando o promissor Diego junto ao Atlético Paranaense em 2006 – mas não deu certo, e, mais uma vez, FH volta à sua bisonha titularidade. Nesse ano de Libertadores, tentamos o Felipe, do Corinthians, e Diego Cavalieri do Palmeiras, mas, infelizmente, sem sucesso. Ninguém quer o FH, muito menos a torcida tricolor. Semana passada deu o gol ao Adriano no jogo mais importante da história do Flu até então. Hoje, conseguiu falhar contra o Náutico, mas sobre esse jogo eu comento daqui a algumas linhas. Espero que nesse próximo jogo contra o São Paulo, ele não apronte mais uma das suas.

Chega de Fernando Henrique. Por favor, contratem um goleiro condizente com a história tricolor.

Flu x Náutico – O Flu provou que precisa de reforços para almejar algo no Brasileiro. Contra o Náutico, neste domingo, no Maracanã, o time tricolor foi envolvido do começo ao fim, apesar de ter perdido um penalti(inexistente). O mistão de juniores e reservas foi um desastre, mas serviu para mostrar que Maurício, David e Carlinhos não podem jamais ser opções para o time titular. Ao contrário de Marinho e Alan, que, junto com Tartá, devem ser lançados aos poucos para não se queimarem.

Enfim, quarta-feira tem Fluzão no Maraca! Estarei lá no meio de 80 mil tricolores! Vamos, Fluzão!





Chuva de gols

11 05 2008

E a primeira rodada do Campeonato Brasileiro foi concluída neste domingo. Dei mais atenção ao jogo do meu tricolor, mas não deixei de dar uma passada nos outros jogos!

 

  • O destaque da rodada foi o jogo que não prometia nada: Portuguesa 5 x 5 Figueirense. Detalhe sórdido: a Lusa chegou a fazer 5×2 no segundo tempo. Apesar do vacilo, o time paulista mostrou um bom poder ofensivo contra o Campeão Catarinense e que pode beliscar a Sul-Americana nesse ano. 

  • E os jovens de Xerém mostraram personalidade diante de um abatido Atlético Mineiro, no Mineirão. O empate de 0x0 foi justo, apesar de anularem um gol legal do Fluminense, no primeiro tempo, pois nenhuma equipe se destacou. Para o Galo, o empate foi terrível, já que necessitava de uma boa atuação para a sua irritada torcida; já para o Tricolor, ficou de bom tamanho, já que era esse o objetivo. Quarta-feira é dia de decisão para as duas equipes. Vamos, Fluzão!

  • O Flamengo, diante de um Maracanã de portões fechados(punição do Brasileiro de 2007), conseguiu iniciar a sua volta por cima, vencendo o Santos por 3×1. Digo iniciar pois dificilmente algum flamenguista esqueceu a eliminação precoce desta semana com essa vitória diante dos reservas santistas. As chances do rubro-negro ir à Libertadores novamente em 2009 são boas, mas é preciso demonstrar seriedade, algo que faltou muito após o título carioca.
  • Outros resultados: Botafogo 2 x 0 Sport, Coritiba 2 x 0 Palmeiras e Internacional 1 x 0 Vasco.

Valeu, galera! No meio da semana analisaremos as decisões pela Copa do Brasil e pela Libertadores!

 

Fred Cochrane