Voando baixo e sonhando alto

21 08 2008

Com a espetacular marca de seis jogos e seis vitórias consecutivas no Brasileirão, o Botafogo já alcança a terceira melhor colocação da tabela. Após a vitória sobre o Cruzeiro, adversário direto na luta pelas primeiras posições no campeonato, o Bota alcançou o terceiro lugar ultrapassando o Palmeiras em saldo de gols, e está à apenas dois pontos dos mineiros. O jogo não foi lá uma maravilha de apresentação, de ambos os lados via-se uma certa apatia no primeiro tempo. Na segunda metade da peleja, o Bota veio pra sufocar a raposa mineira, que, atabalhoada, acabou perdendo um homem aos 24 minutos e logo após sofreu um gol de pênalti (duvidoso?), cobrado por Lúcio Flávio.

No próximo domingo o glorioso enfrenta o Vasco, no maraca, podendo com isso ultrapassar o Cruzeiro, dependendo dos resultados da rodada. É o Fogão sonhando alto e voando baixo nesse segundo turno do Brasileirão.

A torcida é outra que parece estar de bem com o futebol, comparecendo sempre em grande número ao Engenhão, ela apóia, reclama, xinga, resumindo, faz tudo que um torcedor deve fazer na arquibancada.

É isso aí fogão, se Deus quiser, daqui pra frente só teremos o que comemorar, e zuar os outros times cariocas que não se encontram na mesma situação, por que afinal, futebol é futebol e vice-versa.

Rodrigo Santos





Wellingool está de volta!?

14 07 2008

Duelo de Alvinegros na Vila Beomiro

Desencantou! Graças a Deus Wellington Paulista me fez morder a língua ( tomara ), um golaço no domingo contra o Santos e uma partida para se guardar na memória, ambas as equipes jogaram o futebol que sabem.

O Bota marcou logo aos 3 minutos do 1º tempo com ele, Zé Carlos, de falta com perfeição no canto direito de Fábio Costa, não demorou muito o Santos chegou com perigo, mas a trave salvou o Alvinegro carioca de sofrer o primeiro gol. O jogo no 1º tempo foi lá e cá, as duas equipes chegando com muito perigo, Jorge Henrique desperdiçou, nos pés de Fábio Costa, duas grandes chances de ampliar o marcador para o Bota, o Santos também parava em Castillo.

Aos 17 minutos da primeira etapa Wellingool recebendo lançamento no alto de Thiaguinho, emendou de primeira e estufou a rede do Peixe pela segunda vez, um Golaço!

No segundo tempo quem veio com disposição foi o Peixe, Cuca colocou Kléber Pereira no lugar de Thiago Luíz, adiantou. Mas quem chegou primeiro foi o Bota, aos 3 minutos Wellingool cruzou para Jorge Henrique fazer o corta luz para Zé Carlos que chutou cruzado para fora.

Aos 12 o Santos teve um gol bem anulado, num meio voleio de Lima que foi por cima da meta de Castillo.

O jogo seguiu sonolento até os 34 minutos quando Kléber Pereira recebe um cruzamento do meio de campo, domina no peito entre dois marcadores, e toca no canto direito de Castillo. Ridícula falha de marcação da zaga do Bota, que há tempos não mostra um bom futebol.

Aos 41 minutos Kléber Pereira, em posição irregular, recebe passe na grande área dribla Castillo e toca pro fundo do gol, empatando a partida, que terminou assim, com o Santos em 19º( penúltimo ) lugar e o Botafogo lutando pra subir mais na tabela apenas em 14º.

Foi um bom jogo, aparentemente as duas equipes estão melhorando, o Bota com a chegada de Ney Franco, parece que vai voltar aos eixos e lutar pelo título que a anos não conquista, sempre lidera uma parte do campeonato e depois cai de produção, e quem sabe esse ano não funcione ao contrário?





Procura-se …

24 06 2008

De mal com a rede.Mais uma derrota no brasileirão, o Botafogo parece ter se perdido após a final do Carioca, parecia que iria melhorar na Copa do Brasil mas as boas atuações das ditas “peças chaves” do elenco alvinegro não voltaram e perdemos a chance de sermos campeões perante o Corinthians, numa partida para ser esquecida e nunca mais mencionada por qualquer alvinegro que se preze torcedor do Botafogo. Com atuações no máximo pífias o alvinegro carioca amarelou na semi-final. Quando pensávamos que era levantar a cabeça e sacudir a poeira, o time consegue ir pior ainda no brasileirão. Onde Wellington Paulista deixou a habilidade? Alguém sabe? Em General severiano é que não foi, vinha sendo uma surpreendente contratação da diretoria, mas parece que a surpresa acabou, o churrasco esfriou e a cerveja chocou nessa festa toda, já não sei a quantos jogos que não marca, e pior ainda, não atua convincentemente, seria ele ainda merecedor da titular 9 do Glorioso? Não pensem vocês que a culpa é só do Wellington, Alessandro já poderia estar esquentando o banco do Engenhão a muito tempo, nunca achei que fosse sentir falta do traíra Joílson mas a coisa está tão feia que já estou até apelando pra essas peças esquecidas, o mesmo pode-se dizer do Dodô e do Reinaldo, bons tempos também aqueles com o André Lima, em que a única preocupação era a zaga e mesmo assim nem tanto. Agora a única coisa que NÃO preocupa é a zaga já que André Luís e Renato Silva vêm fazendo um trabalho de razoável pra bom e Castillo, que falhou na semi-final da Copa do Brasil, voltou a passar segurança para a torcida alvinegra. Pode-se também incluir nessa lista de boas atuações os meias Túlio e Diguinho que têm ajudado o glorioso a não perder de muito. Mas a partir do meio campo a história já muda, Lúcio Flávio parece não saber o que fazer com a bola, Carlos Alberto…é ele pode-se colocar na lista dos que estão em fase de adaptação, indo bem até, Wellington Paulista já foi mencionado e Jorge Henrique é outro que também aparenta estar perdido em campo, mas nesse tenho confiança que vai voltar a boa fase, Lúcio Flávio também, tenho fé nos dois. Já nos laterais, valha-me Deus, com a volta de Luciano Almeida as coisas pelo setor esquerdo irão melhorar, mas são duas as laterais e a direita já se tornou uma avenida.Ele Já deu o que tinha que dar.

Bebeto, peço encarecidamente, arranje um lateral direito, nem que seja das divisões de base. Qualquer coisa é melhor que o Alessandro. Ele começou bem, eu sei, mas convenhamos, já deu o que tinha que dar, junto com o Wellington Paulista, só isso que peço, um lateral decente e um atacante que MARQUE gols pelo menos! E tente segurar os jogadores, pague os salários, prometa mundos e fundos, mas não deixem depenar o Glorioso como no ano passado, as feridas de Dodô, Zé Roberto, Juninho, André Lima e outros, ainda estão abertas e não queremos mais esse sofrimento, eu sei que ser alvinegro é assim mesmo, que botafoguense sofre, mas não precisa ser tanto! Já está virando sado-masoquismo torcer para o Glorioso.

Temos confiança na diretoria, diferente de outros clubes, não nos faça perdê-la.

Força ao alvinegro!

Rodrigo Santos





A Regra é Escura

10 06 2008

No último Domingo o Vasco perdeu para o Cruzeiro por 1×0 no Mineirão. O gol foi marcado por charles aos 26 do segundo tempo. O time mineiro está empatado com o flamengo com 13 pontos, na liderança. Os cruzmaltinos permanecem com 7.

O Cruzeiro jogou sempre no ataque e teve algumas oportunidades de marcar, o Vasco só se preocupou em defender. Por isso, podes considerar justo o resultado.

Mas, como todos sabem, no futebol não existe justiça e se não fosse um erro (ou não) da arbitragem o Vasco provavelmente teria voltado de Minas com um ponto na bagagem.

Aos 26 minutos do segundo tempo, depois de Tiago ter feito defesas difíceis-inclusive em um pênalti batido por Guilherme – o árbitro Wilson de  Souza Mendonça resolveu complicar a partida. Wagner, camisa 10 da raposa, de chute fraco de longe e o goleiro vascaíno amorteceu a bola com a mão, deixando-a no chão. Esperou o time sair por alguns segundos e pegou a bola do chão, quando, para sua surpresa, o juiz apitou, marcando tiro livre indireto da entrada da pequena área.

O time mineiro ensaiou bem a jogada e, com todos os jogadores vascaínos dentro da área, Charles achou um espaço no canto direito.

O lance que resultou no gol da vitória é um dos mais polêmicos dos últimos tempos, tanto é que o próprio juiz não sabia dizer o que havia marcado, ao término da partida. Por fim, através da opinião de vários árbitros e do presidente da comissão de arbitragem chegou-se a conclusão de que a infração teria sido maracada pelo goleiro ter encostado a mão na bola e depois tê-la pego de novo.

Basicamente, a regra diz que o goleiro só pode fazer isso quando realiza uma defesa, e no caso Tiago não defendeu a bola, apenas a escorou. Isso quer dizer que fica a cargo do árbitro julgar se o goleiro fez uma defesa ou não.

Lances como esse acontecem em todos os jogos e nenhum juiz marca. simplesmente porque não há necessidade. Não é um lance capaz de mudar o jogo e nem de cera pode ser chamado, já que o goleiro esperou o time sair e já iria repor a bola. Tudo isso em 6 segundos. Na verdade, suspeito que o juiz achou que a bola teria sido recuada para o goleiro, por isso acabou não dizendo o que tinha maracado. Depois do jogo – e de algumas ligações que provavelmente o salvaram – ele deu a sorte de haver uma regra (sem nexo, por sinal) que se encaixava na lambança cometida por ele. Aposto que lances iguais já passaram por ele sem serem percebidos, e se bobear, nesse mesmo jogo.

Enfim, esse lance mostrou como não é clara a regra do futebol. Cada dia mais o jogo está sendo decidido segundo a interpretação do árbitro, a ponto de agora eles decidirem também se o goleiro defendeu ou não a bola. Acho que as regras deveriam ser mais bem definidas, assim os erros de arbitragem poderiam diminuir.

Se o texto ficou confuso, me desculpe, mas foi apenas pra ser coerente com a arbitragem de Wilson Souza de Mendonça.

Saudações Vascaínas!

Guilherme de Alencar





Jeantes tarde do que nunca.

1 06 2008

Jean entra no 2º tempo e muda a partida da tarde de sábado.

Depois de ser eliminado pelo Sport, nos pênaltis, na semifinal da Copa do Brasil o Vasco demonstrou poder de reação e venceu o Grêmio por 2×1 em São Januário. Jogo válido pela 4ª rodada do brasileirão . Reinaldo marcou para os gaúchos e Jean (duas vezes) para os cariocas.

O time vascaíno precisou de muita superação para vencer a partida. Antes mesmo de seu início o vasco já deveria superar algo: o jogo do Sport e toda a trama envolvendo Edmundo, craque do time, nessa semana.

Após o apito inicial do árbitro o vasco se mortrou um time completamente sem rumo em campo. O Grêmio conseguia envolver facilmente a defesa adversária, que por sua vez, batia cabeça e se complicava sozinha. Resultado: aos 30 min Paulo Sérgio cruzou da direita e o zagueiro luisão só assistiu a Reinaldo cabecear com precisão no canto esquerdo de Tiago. O vasco ainda ameaçou uma vez outra em contra ataques, mas nada que assustasse o defensor da meta gremista.

como se já não bastasse o trauma da Copa do Brasil o Vasco precisaria superar o Grêmio em campo e virar a partida. Além disso, ainda haveria de aguentar as vaias da torcida.

No intervalo Antônio Lopes colocou Jean (como sempre), no lugar do apagado Morais. Quando o problema é superação ninguém melhor do que Jean para resolver. Com velocidade e muita vontade, Jean sempre entra pra dar aquele ânimo a mais à equipe. Mais uma vez ele conseguiu com que o Vasco mudasse de postura. O time da colina partiu pra cima com tudo em busca da virada.

Porém, dessa vez Jean fez mais do que motivar o time à partir pra cima: Logo aos 6 minutos do 2º tempo Leandro Bonfim dividiu com o zagueiro, a bola sobrou na entrada da área e Jean (que não é conhecido por boas finalizações) acertou um tirambaço no canto esquerdo do goleiro Vitor. Esse foi o primeiro gol sofrido pela boa defesa do Grêmio no campeonato.

Jean – e seus comandados – continuaram na missão de conseguir mais uma virada na história cruzmaltina. Até que aos 30 minutos Wagner diniz o presenteou pela vontade em campo. O lateral direito avançou pelo flanco e chegou a linha de fundo, próximo a área. Tocou para o atacante que, do meio da área, teve que finalizar duas vezes até botar a bola no fundo da rede.

Mais uma vez o vasco demonstrou porque é o “time da virada” e como possuir um Caldeirão é importante, até mesmo quando ele não está pegando fogo.

O vasco agora tem 7 pontos no campeonato e alcançou a 3ª posição, pelo menos até o início dos jogos desse domingo.

Após a partida Jean declarou que busca, desde o início da temporada, o status de titular da equipe vascaína. Quando entra costuma mudar o panorama da partida, ainda que nem sempre com gols. Quando Edmundo e Leandro Amaral estiverem aptos a jogar dificilmente Jean começara a partida.

Excluindo os dois, Jean é o atacante vascaíno melhor capacitado no momento. Mas acho que há algo que não faz muito sentido no futebol brasileiro: Atletas que começam jogando são definidos como titulares ; os que não começam, como reservas. A questão não é tão simples assim.

Tomo jean como exemplo, ele costuma render mais quando entra no segundo tempo do que quando começa jogando, no entanto ele é muito mais importante pro vasco do que Alex Teixeira ou Alan Kardec, que costumam começar jogando.

Um time não deve ser só 11 jogadores, mas sim o grupo todo. Como lopes mesmo disse, Jean é o 12º jogador vascaíno. Portanto, faz parte do esquema vascaíno Jean entrar na segunda etapa, não é uma questão de ser titular ou reserva, de ser pior que quem começa jogando. Tanto é, que muitos jogadores entram no decorrer de partidas e se tornam mais importantes que os “titulares”.

Mas isso já está inserido no futebol brasileiro, é uma questão de cultura. Na Europa os jogadores não costumam ser taxados de titulares ou reservas, e os técnicos começam com um ou outro jogando de acordo com a necessidade de cada jogo.

Acho que esse é um exemplo do que se deve copiar da Europa, não o formato de campeonato. mas, tudo bem, eu tenho consciência de as opções nos elencos brasileiros não são boas o suficientes para que haja esse tipo de rotação no plantel.

Saudações vascaínas!

Guilherme de Aelncar





Ahh, Edmundo!

30 05 2008

Eu pedi que não faltasse vontade, garra e determinação ao time do vasco no difícil jogo contra o sport. E não faltou. Fiquei feliz de ir a São Januário e ver mais que um estádio lotado e fervendo como de costume – e a torcida mais bonita do que nunca. Vi um time que se dedicou até o último minuto em busca de reverter o placar do jogo anterior.

O Vasco não fez uma de suas melhores partidas tecnicamente, mas na base do empenho conseguiu fazer um gol aos 19 do segundo e outro já nos acréscimos. Não pude deixar de lembrar que escrevi na terça-feira que o jogo Flu x São paulo deveria servir de exemplo para o Vasco. O segundo gol- do Edmundo- foi suado e saiu no finalzinho, assim como o de Washington; o primeiro-do Leandro amaral- deu esperança assim como o de Dodô. A diferença é que o gol no sufoco, do vasco, não foi o da classificação.

Infelizmente, o gol do animal apenas adiou a eliminação. Logo no primeiro pênalti ele mesmo isolou a bola. Ninguém mais perdeu e o Sport, com muito mérito, se classificou pra final. Apesar de achar que pênalti não é loteria, mas sim competência (que sempre faltou ao animal pra cobrar pênaltis), sai orgulhoso de São Januário. O Vasco lutou muito e – infelizmente- foi eliminado por incompetência de um único jogador. Talvez se não fosse o Edmundo o Vasco não teria chegado ao empate no final, talvez nem a semifinal. Mas ele errou quando não podia errar! Não estou sacrificando ele, só o culpando pela derrota, o que é bem diferente e pra mim não é nada demais. Os jogadores estão ali pra isso e errar faz parte. Os torcedores que têm a mania de considerar a pior pessoa do mundo o cara responsável pela derrota. E ele não é. Também não seria a melhor pessoa do mundo caso fosse o principal responsável pela vitória.

Continuo o considerando ídolo, craque e tudo mais, mas espero que ele bote na cabeça que pênalti não é pra ele. Isso não é um grande problema, apenas uma limitação. Têm muitos jogadores que não fazem a metade do que ele faz mas batem pênalti melhor do que ele. Espero que o grito desse último ano de carreira (pelo menos ele disse que é ) seja o “Ahhh, eh Edmundo!” de exaltação, não o “Ahh, Edmundo” de lamentação.

Mas enfim, estaria com vergonha se meu time não tivesse lutado da maneira que lutou, se tivesse levado um 3×0 do sport em São Januário. Perder faz parte do futebol, assim como vencer. A grande questão não é perder ou vencer, mas sim como perder ou vencer. Estou mais orgulhoso da derrota do meu time do que estaria caso ele tivesse vencido com um erro descarado a seu favor. Garanto que os tricolores estariam muito orgulhosos mesmo se o Washington não tivesse feito aquele gol. Parece que parte da torcida vascaína concorda comigo, tanto é que os aplausos foram maiores que as vaias ao fim da partida. Vida que segue.

“Sou vascaíno e o sentimento não pode parar”

Saudações Vascaínas!

E boa sorte ao Flu na Libertadores.





Que a Vontade de Domingo sobre amanhã!

27 05 2008

Após empate de 1×1 em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro, Vasco e Botafogo se preparam para, dois anos depois, tentar reeditar uma final carioca na Copa do Brasil.

Pela primeira vez no Engenhão, o Vasco chegou como um visitante ingrato e logo antes de 1 min de jogo abriu o placar. Quem deu o ‘presente” aos donos da casa foi o único titular vascaíno, o zagueiro Eduardo Luiz, que após cobrança de escanteio e desvio de Alan Kardec compeltou facilmente para o fundo do gol.

No primeiro tempo os cruzmaltinos tiveram ainda duas chances com Alan Kardec e Alex Teixeira, mas a partida foi fraca – tecnicamente, já que força física e vontade não faltaram. Entre bordoadas e pontapés, as equipes seguiram lutando muito, mas o que sobrou em vontade, faltou em técnica.

Até que aos 41 do segundo tempo, o Botafogo (que jogou com alguns titulares) empatou com Lúcio Flávio, o qual entrou no segundo tempo, de penalti. Duvidoso, por sinal, mas com certeza, tanto Vasco quanto Bota estavam com a cabeça em Sport e corinthians, respectivamente.

Amanhã, o Bota enfrenta o time paulista no morumbi; o Vasco enfrenta os pernambucanos em São Januário. Todos os ingressos para ambas as partidas estão esgotados. Em parte, pela ação dos cambistas, que impediram que alguns torcedores (como eu!) conseguissem seus ingressos.

Mas, deixando a revolta de lado, os dois times da casa precisarão bastante da força de suas torcidas: o corinthians (sem 4 titulares) perdeu no Engenhão por 2x1e precisa vencer o Botafogo por 1×0 para ir a final; já o Gigante da Colina precisa derrotar o surpreendente Sport por 3×0! Tarefa muito difícil, mas não impossível. Vide Vasco x Lanus pela sulamericana, ano passado e até o flu contra o são Paulo na semana passada, exemplo de superação.

Acho que o Bota precisa mais é de cabeça para passar pelos paulistas…o Vasco precisa de cabeça, futebol, vontade e tudo que puder somar para passar pelo Sport. Que a vontade do clássico de domingo sobre amanhã para ambos. Porém, com muito mais técnica.

Enfim, torço por uma final carioca como em 2006. Lembrando, que pelo menos um carioca figura nas finais da competição desde 2003, o que é bom, mas nem tanto. Afinal, seria muito melhor estar entre os finalistas da Libertadores..mas isso deixa com o flu esse ano!

Boa sorte pra Vasco, Botafogo e Fluminense amanhã!

Abraços, Guilherme de Alencar





Recuperando o fôlego

23 05 2008

Me desculpem pela demora desse post, mas sinto que até agora não voltei do Maracanã – gostaria de ter ficado lá comemorando com a torcida mais linda do mundo por horas. Porém, por mais que o tempo físico não tenha me permitido isso, a agonia até o último minuto, a felicidade contida do primeiro gol, a esperançosa do segundo e a explosiva do terceiro serão eternas.

Não farei mais uma das centenas de análises técnicas e táticas que há na imprensa dessa epopéia do único Tricolor brasileiro. Tentarei descrever para vocês o que eu e os demais corações valentes presentes no estádio sentimos quando o exemplo de vida Washington estufou as redes ao apagar das luzes. Por mais impossível que isso seja.

Chego no estádio cedo para ajudar a ensacar o talco que seria jogado horas depois numa linda festa da torcida. Estava ansioso há dias, pois nunca meu time tinha chegado tão longe na maior cometição da América do Sul, mas eu queria mais. Queria que o Flu provasse, não só à imprensa e ao Brasil, que é favorito ao título, mas, principalmente, a si próprio. Uma vitória naquela noite daria uma confiança enorme ao time para a fase seguinte. Um insucesso comprometeria o ano todo.

O Flu entrou a 300 km por hora, do jeito que a torcida queria. No primeiro lance de perigo, Cícero perdeu uma incrível chance. Mas, graças a João de Deus, o primeiro gol saiu cedo, como o time precisava. O resto do primeiro tempo foi um domínio imenso do Tricolor, mas o placar era mínimo ainda. No segundo, Muricy substituiu bem e o São Paulo equilibrou por alguns minutos, e fez seu gol com o nada humilde Adriano(volte para a Itália!). A torcida paulista, coitada, achou que estava tudo resolvido, comemorava como se ainda não restassem quase 20 minutos de jogo. Mas, a bola pune, né, Muricy? Pouco mais de um minuto depois, Dodô empara o jogo numa falha do sempre mediano Rogério Ceni. A partir daí, mais pressão do infernal ataque tricolor, comandado pelo incrível Conca.

O terceiro gol merece um parágrafo especial. Após a expulsão de Joílson, o São Paulo se desarrumou completamente. Chances perdidas se sucedem. Todos na torcida cantam mais para incentivar, mas com um olhar de preocupação constante. Até que sai um escanteio despretencioso para o Fluminense. Ouço atrás de mim “46 minutos!” e entro em desespero. Pensei que no estava com 30 minutos no máximo, mas a tensão me fez perder a total noção de tempo. Aquele lance era decisivo. Levo as mãos ao rosto, quando a bola viaja, Washington cabeceia e torcida explode. Chorei como nunca tinha chorado e vi pessoas ajoelhando, se jogando no chão, correndo para liberar a felicidade de quem sempre acreditou – “Quem espera sempre alcança”.

Como diria meu futuro companheiro de profissão Galvão Bueno: “Haja coração, amigo!”. Mas isso, o Guerreiro Tricolor Washington tem de sobra.

Que venha o Boca!





Vitória na marra!

22 05 2008

Em um jogo onde mais de 30 mil alvinegros compareceram ao Engenhão para prestigiar o glorioso, quando as torcidas que estavam em crise com a diretoria deram trégua as desavenças, numa noite em que o Botafogo daria o primeiro passo em direção a final, o Bota demonstrou raça e garra, mesmo com a torcida estando praticamente apática, sendo superada pela torcida do Corinthians (em menor número).

Com um primeiro tempo sem muita ousadia, o Corinthians abriu o placar aos 22 minutos com Carlos Alberto, numa bobeada geral da equipe carioca e a torcida que já quase não apoiava começou a vaiar. Alguns minutos antes Wellington Paulista havia perdido uma oportunidade senão óbvia, ao menos claríssima de gol, num erro ridículo da zaga corinthiana Wellington apareceu cara á cara com Felipe e desperdiçou uma chance de ouro para sair na frente do placar. O apelido Wellingol já está começando a perder o sentido, a seis jogos sem marcar o atacante já está perdendo a mágica e o prestígio frente a torcida alvinegra.

Perdido em campo o Bota não conseguia encaixar ataques nem contra-ataques, com as peças fundamentais da equipe falhando nos mais básicos fundamentos o glorioso contou com defesas do jovem Renan e com a sorte para não sair com uma desvantagem maior para os vestiários.

No segundo tempo, após conversa nos vestiários, Zé Carlos deu lugar a Fábio que entrou em campo mostrando o que faria pelo resto da etapa complementar, atazanar a defesa do Corinthians. Após tabelinha com Eduardo na entrada da área o baixinho Jorge Henrique, sofreu pênalti de Carlos Alberto e assim deu início a uma partida muito mais emocionante daquela que foi vista no primeiro tempo. Lúcio Flávio, que ficou apagado nos primeiros 45 minutos, bateu magistralmente o pênalti e empatou para o glorioso. Daí pra fernte só deu Botafogo, com a marcação ajustada, o Corintihians não conseguiu mais atacar eficientemente e passou somente a defender e segurar a bola para ganhar tempo. Enquanto isso o Bota era só ataque, Eduardo deu lugar á Adriano Felício, e Wellington Paulista saiu para a entrada de Alexsandro. O Corinthians seguia com o joguinho retrancado e apenas saía nos contra-ataques mas com pouco perigo, aos 43 minutos um escanteio do lado direito do ataque alvinegro, a bola é alçada na área, a zaga corinthiana corta errado e a redonda sobra pra ele, Jorge Henrique, apenas oportunamente empurrá-la para o fundo das redes de Felipe e sacramentar a vitória do Botafogo.

Com atuações no máximo razoáveis Wellington Paulista e Zé carlos foram substituídos. O Bota precisa URGENTEMENTE de um novo atacante e um novo lateral direito pra quando Alessandro estiver suspenso ou machucado (quando não é uma coisa é outra, nunca vi igual!) alguém cobrir o vazio que aparece naquele setor do campo e alguém pra deixar o Wellingol no banco, pra ver se ele volta a fazer gols.

Ficha do jogo

BOTAFOGO 2 x 1 CORINTHIANS
Renan, Renato Silva, André Luís e Eduardo (Adriano Felício); Alessandro, Leandro Guerreiro, Túlio, Lúcio Flávio e Zé Carlos (Fábio); Jorge Henrique e Wellington Paulista (Alexsandro). Felipe, Carlos Alberto, Chicão, William e André Santos; Fabinho, Eduardo Ramos, Diogo Rincón (Acosta) e Lulinha (Fábio Ferreira); Dentinho e Herrera.
Técnico: Cuca. Técnico: Mano Menezes.
Gols: Carlos Alberto, aos 22 minutos do primeiro tempo. Lúcio Flávio, aos nove, e Jorge Henrique, aos 43 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: André Santos, Carlos Alberto, Lulinha, Fábio Ferreira, Fabinho (Corinthians); Wellington Paulista, Jorge Henrique, Alessandro, Túlio (Botafogo). Cartão vermelho: . Público: 30.707 pagantes. Renda: R$ 540.580,00.
Estádio: Engenhão. Data: 20/05/2008. Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (Fifa-RS). Auxiliares: Altemir Haussman (Fifa-RS) e Roberto Braatz (Fifa-RS).

E em homenagem ao nosso amigo Fred, parabenizo o Fluminense pela vitória sobre o São Paulo, e tenho que dar o braço a torcer, o jogo de ontem foi sem dúvida o melhor jogo do ano até agora. E deixo uma proposta: Se o Bota for campeão da copa do brasil eu vou pintar meu cabelo de preto e branco! E se o flu for campeão da libertadores o Fred vai pintar o dele de verde, vermelho e branco.

O que você acha Fred?

Rodrigo Santos





Apelação!

19 05 2008

Fonte: Revista Playboy edição maio 2008, digitalizado por Observatório Vascaíno.

Esse artigo apela muito! Se o rapaz somente dissesse que considera o vasco candidato ao rebaixamento e que é um palpite, eu respeitaria. Mas dar o título de “A sérire B te aguarda, Vascão” e ainda dizer que já sabe os 4 rebaixados é absurdo.

O vasco pode ser rebaixado? Nada é impossível, mas acho muito difícil. O clube tem muita força em São Januário; tem uma das melhores duplas de ataque da competição; e times como Atlético-mg e Vitória – que não foram citados como rebaixados no artigo – são muito mais fracos que o cruzmaltino.

O diretor de redação da revista Placar fala que o Romário foi técnico, e que isso pode contribuir pro rebaixamento. como, meu Deus? O baixinho foi técnico em outra competição e sua passagem como comandante da Caravela vascaína não influenciará a campanha no brasileirão!

“Maus resultados”. No carioca o Vasco foi realmente muito mal, mas é semifinalista da Copa do Brasil, algo considerável. Ahh, mas não passou por nenhum time da primeira divisão na competição…mas chegou na semifininal, diferente de outros times da série A que “não serão rebaixados, segundo Sérgio Xavier.

  • Atlético Paranaense foi eliminado pelo Corinthians alagoano; na Arena da Baixada.
  • Grêmio foi eliminado pelo Atlético Goianiense; no Olímpico.
  • Coritiba eliminado pelo São Caetano; no Couto Pereira.
  • Vitória foi eliminado pelo Paraná em pleno Barradão.
  • Figueirense nem se classificou pra Copa do Brasil.

Enfim, o elenco vascaíno é limitado e dificilmente conseguirá algo mais que sul-americana no Brasileirão, mas rebaixamento não é esperado, caso aconteça (tudo é possível no futebol) será uma grande surpresa. O Vasco não entra no campeonato como candidato à série B 2009.

Saudações Vascaínas, Guilherme de Alencar